Armação em Codó: O jogo por trás das cortinas.

Apesar do final da corrida sucessória, Codó ainda vive momentos de jogo de interesse promovido pelos opositores do grupo vitorioso do prefeito Dr. Zé Francisco, segundo Boatos.

O grupo dos homens mais fortes financeiramente da cidade de Codó, e os Figueiredos, não pouparam esforços, para desarticular o grupo do prefeito José Francisco, nisso, o jogo baixo, começou e pasmem, com o acerto financeiro alto, buscando desarticular uma parceria feita antes das eleições pelo o então candidato Dr. José Francisco e o vereador Dominguinhos que almejava mais um pleito no legislativo, em um ajudar o outro. O que rolou, foi que para surpresa de todos, Camilo o vice prefeito, desejando colocar seu pupilo na presidência da Câmara Municipal de Codó, procurou alguns empresários e vereadores para acertar a votação em seu filho.

A ordem do chefe

O todo poderoso empresário determinou que o vice agisse conforme ele determinou e o seu ex-rival, correu a todos os lados para “comprar” os vereadores e empresários influentes na cidade.

O Jogo

Alguns vereadores se deixaram levar pelo dinheiro fácil e ficar contra o povo, por causa de um acordo entre o vice e o mega empresário, que se denomina o dono de Codó.

Como agiu o vice oportunista? pegou o dindin e foi tentar comprar votos para seu filho, mais a dupla (O e F) não tem muita credibilidade, e agiram com valores que não foi pouco, pous para eles o que vale é não deixar o prefeito eleito governar.

Postura firme

Dentre tantos, o empresário conhecido na cidade, e com influência sobre a vereadora que ajudou a eleger, mostrou-se ser um homem de caráter, e não aceitou as jogatinas dos Oliveira determinando que os Figueiredo fossem à casa de alguns vereadores e desse empresário. Iss, para que o mesmo convencesse sua pupila a votar no filho do vice, jogando dinheiro alto, mas a fidelidade falou mais alto e o acordo feito na surdina da noite, morreu, e ficou só na vontade.

É bom dizer que o cascalho ofertado, foi mais de 300 mil contos, fora umas dividas que o ex-gestor danoninho, não arcou com o compromisso dos serviços prestados com a viúva, e não cumpriu com o compromisso, para depois utilizar isso, como moeda de troca, mas dessa vez não colou, e isso foi feito com vários empresários que perderam dinheiro porque trabalharam sem receber da ex-gestão.

A traição.

A traição se deu, porque o filho do vice, queria por tudo desse mundo, a presidência da casa e forçar o gestor a trabalhar com os donos da cidade, já que trabalhar com um legislativo comprado, não é fácil, mas o prefeito não cedeu e apoiou quem o ajudou desde do início, enquanto o grupo conhecido, logo no início, já quis passar a rasteira em quem talvez possa fazer um bom governo, não cair no jogo baixo da política como os feitos entre os que se acham os dono da nossa velha Codó.

 

1 Comentário

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*